Música e Interdisciplinaridade

Já levantamos algumas considerações sobre música e desenvolvimento infantil e, a partir desse momento, podemos explorar temas sobre educação musical com maior especificidade.

Sabemos que qualquer conhecimento que não seja atrelado a algum significado é um conhecimento vago de uma prática sem sentido. As novas aprendizagens devem partir das necessidades dos alunos, dos seus interesses e do seu contexto, para que assim possam ser internalizados e sejam agentes de mudança para a vida do educando.

Não podemos cair no pensamento de que aprender música é apenas agradável, lúdico, que os alunos gostam e que estimula a cooperação. Não adianta fazer música por fazer, ainda mais por esta ser uma aliada de várias áreas do conhecimento.

Música e Interdisciplinaridade

É uma pena que a organização curricular escolar, bem como da formação dos docentes na nossa sociedade, tenha se tornado tão específica, limitando muitas vezes a visualização da conexão entre as disciplinas entre si e a relação entre os conteúdos estudados. Uma maneira de não perder a visão holística de educação é despertar para a interdisciplinaridade, isto é, buscar ao máximo estabelecer relações entre as disciplinas.

A música pode intervir significativamente nas aulas de:

Educação Física

A dança é uma forma de relacionar e transformar um som em movimento através da exploração do corpo, valendo-se do espaço físico e dos elementos musicais. A dança e a música despertam para a sensibilidade e desenvolvem conceitos como esquema corporal, fluência dos movimentos, coordenação espaço-temporal, coordenação motora, equilíbrio, entre outros. Além da dança, vários desafios envolvendo o corpo podem ser trabalhados nas aulas de Educação Física. Muitas atividades simples que são desenvolvidas desde as séries iniciais mudam quando envolvem algum desafio relacionado a música, além de mudar também o interesse dos alunos na atividade.

Matemática

Música e Matemática são áreas do conhecimento que exigem abstração. O desenvolvimento dos conhecimentos de uma dessas áreas auxilia na capacidade de abstração da outra, e esse é um bom motivo para buscar o desenvolvimento dessa proposta.

A música pode ser usada como um recurso concreto de aprendizagem, uma vez que é uma estrutura matemática, pois os compassos musicais nada mais são que frações. Pode-se estudar o valor das notas e, com o passar do tempo, sugerir que os alunos componham compassos de tempos determinados pelo professor, que é um ótimo exercício para o desenvolvimento do raciocínio lógico.

História

A arte, sendo uma manifestação dos sujeitos do seu tempo, é carregada de informações sobre uma época, um contexto, uma sociedade. Essa deve ser a compreensão com relação a todos os tipos de arte, e que também é o objetivo de se estudar História. Como os alunos que costumam ouvir rádios na atualidade vão compreender uma peça de Bach se não a contextualizam na sua época?

Fazer o exercício de contextualização é muito divertido e saudável para a imaginação dos nossos educandos, além de ser uma maneira rica de estimular novas aprendizagens repletas de significado.

Língua Portuguesa

Pode-se analisar letras de músicas, escrever críticas sobre as mesmas, criar paródias, e até mesmo composições dos alunos. É uma boa forma de incentivar o gosto pela leitura, pela escrita, e para a reflexão.

Literatura

Já em Literatura, comparar os períodos literários com os períodos da história da música é um exercício muito interessante, uma vez que estaremos reconstruindo uma época, sabendo de duas formas de manifestação do homem num determinado período. Pode-se unir a disciplina de História e esse trabalho virar um projeto envolvendo todos os alunos da escola.

Lembrando que para ensinar música não é fundamental saber tocar um instrumento ou ser um grande instrumentista. Um professor trabalha música com seus alunos através do canto, da improvisação com chocalhos, com a confecção de instrumentos musicais e a pesquisa sonora para a elaboração dos mesmos, teoria da música, história, apreciação, dança, análises, entre outras maneiras. Qualquer trabalho que o professor decida realizar, o importante é que deva ser prazeroso, nunca fazer da aula de música uma aula cansativa e, acima de tudo, que esteja bem preparado.


O texto acima é de autoria de Rosana Três Gazola, que resume sua vida em duas palavras: Arte e Educação. Ela escreve neste blog promovendo reflexões para que tu mesmo possa ‘educ-arte’ e, dessa forma, depositar a sua contribuição na caixinha onde diz ‘mundo’.

Rosana Gazola é formada em História e especialista em Música e Musicalidade. Dá aulas de Arte e História para Ensino Fundamental I e II em escolas de rede privada.

Curtiu? Comenta aí!

DOWNLOAD PRONTO!
Vou lhe mandar por e-mail
Cadastre-se abaixo para receber este modelo por e-mail.
Receber agora
Seus dados estão seguros.
close-link