10 grandes insultos da história da literatura


Muita gente acha que o significado da palavra criticar é apenas falar mal. Tem gente que adora passar os dias criticando o cabelo daquela atriz, a roupa daquela outra, os atos inescrupulosos dos bandidos, a ladroagem dos políticos e o trabalho do técnico do time. A crença do início acaba justificada, portanto.

A própria crítica literária tem uma tradição em “falar mal” de obras e autores; foi assim que surgiu a figura do crítico literário odiado por todos e tão bem retratado por Michel Laub em seu decálogo do crítico literário. Muitos dos mais consagrados autores foram alvos da crítica, foram alvo do falar mal, de seu tempo — um caso conhecido é o conflito entre Machado de Assis e Eça de Queirós, no qual o nosso Bruxo do Cosme Velho critica severamente o português autor de O Primo Basílio.

Até aqui ainda estávamos no âmbito da crítica literária. Mas e a outra, a crítica como forma de insulto, a crítica no sentido de gostar ou não gostar, sem qualquer tipo de argumento? Essa também existe e é bem mais frequente — afinal, hoje em dia são poucos os corajosos que se aventuram pelos meandros da crítica literária formal.

Encontrei no site Alternative Reel uma lista com 10 insultos feitos por grandes escritores a outros. Casos memoráveis em que personalidades titânicas como as de Truman Capote, Ernest Hemingway, Jack Kerouac, Virginia Woolf, e várias outras entraram em conflito. A lista está logo abaixo com fotos diferentes daquelas do site e traduções livres feitas por mim (se alguém tiver traduções melhores, fique à vontade para corrigir. Obrigado à Carolina Lueders por ótimas observações sobre as traduções).

Aproveito para deixar uma dica que vai ajudar você a evitar constrangimentos ao criticar (falar mal ou bem) de alguma coisa: Como escrever argumentos fortes

10 – Gore Vidal sobre Truman Capote

Ele é uma completa dona de casa do Kansas, com todos seus preconceitos.

He’s a full-fledged housewife from Kansas with all the prejudices.

Truman Capote

9 – Truman Capote sobre Jack Kerouac

Aquilo não é escrever, é datilografar.

That’s not writing, that’s typing.

Jack Kerouac

8 – Ernest Hemingway vs. William Faulkner

Faulkner: “[Hemingway] nunca foi conhecido por usar uma palavra que pudesse enviar o leitor ao dicionário.”
Hemingway: “Pobre Faulkner. Ele realmente pensa que grandes emoções vêm de palavras grandes?”

Faulkner: “[Hemingway] has never been known to use a word that might send a reader to the dictionary.”
Hemingway: “Poor Faulkner. Does he really think big emotions come from big words?”

William Faulkner

7 – Edmund Wilson sobre Carl Sandburg

A coisa mais cruel que aconteceu a Lincoln desde que Booth atirou nele foi cair nas mãos de Carl Sandburg.

The cruelest thing that has happened to Lincoln since he was shot by Booth was to fall into the hands of Carl Sandburg.

Carl Sandburg

6 – Ralph Waldo Emerson sobre Jane Austen

Os romances da senhorita Austen… parecem-me de tom vulgar, estéreis na invenção artística, aprisionados às miseráveis convenções da sociedade inglesa, sem genialidade, perspicácia, ou conhecimento de mundo. Nunca houve vida tão estreita, limitada. O único problema presente na mente da escritora… é a possibilidade ou não de casamento.

Miss Austen’s novels . . . seem to me vulgar in tone, sterile in artistic invention, imprisoned in the wretched conventions of English society, without genius, wit, or knowledge of the world. Never was life so pinched and narrow. The one problem in the mind of the writer . . . is marriageableness.

Jane Austen

5 – Virginia Woolf sobre Ulysses, de James Joyce

[Ulysses é] o trabalho de um nauseado sem graduação, espremendo seus cravos e espinhas.

[Ulysses is] the work of a queasy undergraduate scratching his pimples.

James Joyce

4 – D. H. Lawrence sobre James Joyce

Meu Deus, que olla putrida grosseiro é James Joyce! Nada além de cigarros velhos e citações furtadas da Bíblia; e o resto, cozido no caldo da deliberada sujeira jornalística — pura inclinação. Que velha e tão trabalhada falta de originalidade, mascarada como se fosse tudo novo!

My God, what a clumsy olla putrida James Joyce is! Nothing but old fags and cabbage stumps of quotations from the Bible and the rest, stewed in the juice of deliberate, journalistic dirty-mindedness—what old and hard-worked staleness, masquerading as the all-new!

James Joyce

3 – Elizabeth Bishop sobre O Apanhador no campo de centeio, de J. D. Salinger

Eu ODIEI a história de Salinger. Levei dias para passar por ela, cautelosamente, uma página por vez, e corando de vergonha por ele a cada sentença ridícula que encontrava. Como eles o deixaram fazer isso?

I HATED the Salinger story. It took me days to go through it, gingerly, a page at a time, and blushing with embarrassment for him every ridiculous sentence of the way. How can they let him do it?

J. D. Salinger

2 – Charles Darwin sobre Shakespeare

Ultimamente tenho tentado ler Shakespeare; achei-o tão intoleravelmente monótono que chegou a causar-me náuseas.

I have tried lately to read Shakespeare, and found it so intolerably dull that it nauseated me.

Shakespeare

1 – Gore Vidal vs. William F. Buckley

Vidal: “Pelo que eu sei, o único guardião de segredos nazistas no qual eu posso pensar é você mesmo.”
Buckley: “Agora ouça, seu extravagante, pare de dizer que guardo segredos nazistas ou vou socar sua maldita cara, e você vai ficar acabado.”
— Convenção Democrática Nacional, 1968

Vidal: “As far as I am concerned, the only crypto Nazi I can think of is yourself.”
Buckley: “Now listen, you queer, stop calling me a crypto-Nazi or I’ll sock you in you goddamn face and you’ll stay plastered.”
—Democratic National Convention, 1968

William F. Buckley

André Gazola

André Augusto Gazola é formado em Letras, professor especialista em escrita e redação para ENEM, vestibulares e concursos públicos, além de pós-graduado em Metodologia de Ensino de Língua Portuguesa e Literatura.

Recent Content