Contação de histórias – O guia definitivo

Contar histórias é a mais antiga das artes. Elas são fontes maravilhosas de experiências. São meios de ampliar o horizonte da criança e de aumentar seu conhecimento em relação ao mundo que a cerca.

É através do prazer ou emoções que as histórias lhes proporcionam que o simbolismo, implícito nas tramas e personagens, vai agir em seu inconsciente. Ali atuando, ajudamos, pouco a pouco, a resolverem os conflitos interiores que normalmente vivem.

Os significados simbólicos dos contos estão ligados aos eternos dilemas que o homem enfrenta ao longo de seu amadurecimento emocional, quando se dá a evolução, a passagem do eu para nós. A literatura infantil, principalmente os contos de fadas, podem ser decisivos para a formação da criança em relação a si mesma e ao mundo a sua volta.

As diferenças que mostram os personagens bom e maus, feios e bonitos, poderosos e fracos, facilitam à criança a compreensão de certos valores básicos da conduta humana ou do convívio social.

Através deles a criança incorporará valores que desde sempre regem a vida humana. Confrontada com o bom e o belo a criança é levada a com eles se identificar, por trazerem em si a semente da bondade e da beleza.

Identificando-se com heróis e heroínas, ela é levada a resolver sua própria situação, superando o medo que a inibe e ajudando-a enfrentar os perigos e ameaças que sente a sua volta.

Contar histórias

Nesse artigo, você aprenderá:

  • O que é e como fazer a hora do conto;
  • Quais critérios utilizar para escolher as histórias;
  • Sugestões de histórias infantis;
  • Sugestões de recursos e técnicas utilizadas para contar histórias com criatividade.

Hora do conto: Por que contar histórias?

  • As histórias formam o gosto pela leitura: quando a criança aprende a gostar de ouvir histórias contadas ou lidas, ela adquire o impulso inicial que mais tarde a atrairá para a leitura. Leia 10 dicas para ensinar seu filho gostar de ler.
  • As histórias são um poderoso recurso de estimulação do desenvolvimento psicológico e moral que pode ser utilizado como recurso auxiliar da manutenção da saúde mental do indivíduo em crescimento.
  • As histórias instruem – ao enriquecer o vocabulário infantil, amplia seu mundo de ideias e conhecimentos e desenvolve a linguagem e o pensamento.
  • As histórias educam e estimulam o desenvolvimento da atenção, da imaginação, observação, memória, reflexão e linguagem.
  • As histórias cultivam a sensibilidade, e isso significa educar o espírito. A literatura e os contos de fadas dirigem a criança para a descoberta de sua identidade e comunicação e também sugerem as experiências que são necessárias para desenvolver ainda mais o seu caráter.
  • As histórias facilitam a adaptação da criança ao meio ambiente, pela incorporação de valores sociais e morais que ela capta da vida de seus personagens.
  • As histórias recreiam, distraem, descarregam as tensões, aliviam as sobrecargas emocionais e auxiliam, muitas vezes, a resolver conflitos emocionais próprios. Exemplo: por alguma razão, uma criança é repreendida pela mãe. Não podendo reagir diretamente à “agressão”, identificará a “agressora” na pessoa má do conto. A história funcionará, dessa forma, como antídoto na solução de seus problemas infantis. Será um fator importante na procura do equilíbrio emocional.

Percebe-se então, o quanto é importante que o professor esteja atento às reações infantis perante as histórias contadas, podendo ser de grande ajuda para compreensão da realidade de cada uma das crianças.

10 mandamentos da contação de histórias

  1. Escolha uma história da qual você goste muito e deseje contar.
  2. Leia essa história muitas vezes.
  3. Feche os olhos e imagine o cenário, os personagens, o tempo e outros elementos constituintes do enredo.
  4. Escolha a voz para o narrador e para as personagens da história.
  5. Exercite seu poder de concentração.
  6. Aprenda como criar o gosto pela leitura conforme a idade do aluno.
  7. Tenha cuidado com sua postura e os vícios de linguagem.
  8. Conte para alguém antes de contar para todo mundo.
  9. Na hora de contar, olhe para todo: olhar diz muita coisa.
  10. Seja natural, deixe falar seu coração e seduza o ouvinte para que ele deseje ouvir novamente.

Que história contar? Sugestões por faixa etária

Pré-escolares: até 3 anos

  • Histórias de bichos.
  • Contos rítmicos que sejam leves, lúdicos, bem humorados e curtos.
  • Cantigas de ninar.
  • Veja dicas de livros para faixa etária de 3 anos.

Fase pré-mágica: de 3 a 6 anos

  • Histórias de bichos.
  • Pequenos contos de fadas com enredo simples e poucas personagens.
  • Poemas simples.
  • Trava-línguas.
  • Parlendas.
  • Cantigas de rodas.
  • Veja dicas de livros para a faixa etária de 5 anos.

Fase escolar: 7 anos

  • Histórias de crianças, animais e encantamentos.
  • Contos de fadas mais elaborados.
  • Aventuras no ambiente próximo: família e comunidade.

Fase escolar: 8 anos

  • Histórias humorísticas.
  • Contos de fadas mais elaborados.
  • Lendas folclóricas.

Fase escolar: 9 anos

  • Mitos.
  • Contos de fadas mais elaborados.
  • Antigo testamento como mito.
  • Histórias verídicas.
  • Histórias de humor.

Fase escolar: 10 anos

  • Mitos.
  • Mitologia nórdica.
  • Narrativas de viagens.
  • Histórias verídicas.

Fase escolar: 11 anos

  • Mitos (hindus, persas, árabes, egípcios).
  • Narrativas de viagens.
  • Histórias verídicas.
  • Mitos de heróis.

Fase escolar: 12 anos em diante

  • Narrativas de viagens
  • Histórias verídicas
  • Biografias e romances

Técnicas para contação de histórias

  • Contação: adaptação do contador ou história decorada na íntegra.
  • Com o livro: leitura dinâmica, dramatizada, com as ilustrações do livro.
  • Com gravuras: varal, livro ampliado.
  • Com fanelógrafo: gravuras coloridas, dobraduras, sombras – usar o velcro atrás.
  • Com desenhos: desenhar as personagens enquanto vai contando a história.
  • Fantoches: de varetas, dedoches, de caixinhas, de papel machê, de meias, de EVA, de espuma, de feltro ou qualquer outro material que sua criatividade permitir.

Importante observar ao contar uma história

Conversa prévia

Receba as crianças individualmente, dando o máximo de atenção que puder para cada uma, sempre de forma muito afetiva. Converse com o grupo e estabeleça algumas regras para a contação. Lembre-se também de criar um certo suspense antes do início da história.

A preparação

Esteja com os materiais organizados, suficientes para a contação e para a atividade posterior (se houver). É muito importante ter segurança em relação àquilo que se vai contar, o que começa com você mesmo gostar da história.

A duração da narrativa

Respeite o interesse da turma, a faixa etária e o ambiente (muito quente/frio).

Lidando com interrupções

Aproveite as interferências dos alunos para enriquecer a história, mas não deixe de combinar antecipadamente com eles sobre o que eles podem ou não fazer durante a contação.

Conversa depois da história

É importante que o momento da contação tenha um final bem definido – um bom recurso é concluir a história com uma rima ou aplauso diferente. Por exemplo: “Bata palmas quem gostou do era uma vez, quem não gostou que fique para outra vez!”.

O preparo geral

Para quem eu contarei? Onde eu contarei? Com que finalidade contarei? Como marcarei o clímax? Como prepararei o ambiente? Como trabalharei os elementos surpresa? Que gestos e roupas usarei? Como prepararei minha voz?

Contação

A história deve ser contada calmamente, porém com ritmo e entusiasmo, criando uma expectativa positiva com relação aos acontecimentos.

O bom contador de histórias deve observar, ainda:

  • Local
  • Luminosidade
  • Acomodações
  • Presença de sons externos
  • O nível de atenção das crianças
  • O cenário
  • O elemento surpresa
  • O desfecho

Importante: Nem toda história precisa dar lição de moral ou conduta no final. A hora do conto deve ser um momento de prazer e diversão, não apenas a continuação de uma aula conteudista.

Não dê explicações psicológicas sobre a conduta dos personagens e muito menos as associe a atitudes individuais de alunos.

Atividades artísticas decorrentes da história

Após a contação, é sempre importante realizar um trabalho em que as crianças se envolvam e relembrem o que foi contado.

Nessa hora, é preciso considerar a faixa etária de cada grupo, o que vai guiar você a realizar diferentes tipos de atividades. Abaixo, elenquei algumas que podem ser aplicadas, modificadas e expandidas conforme o seu caso:

  • Dobraduras das personagens
  • Desenhos das personagens que mais gostou
  • Construção com sucatas
  • Música sobre a história
  • Fantoches diversos
  • Bonecos com papel machê
  • Máscaras
  • Construção de livrinhos
  • Dramatizações
  • Fantasias
  • Teatro de sombras
  • Painéis

Permita que seu filho ou seus alunos adentrem nesse mundo fantástico das histórias! Compartilhe outras técnicas, sugestões de histórias ou suas próprias experiências como ouvinte, nos comentários.

Curso online: contadores de histórias

O Portal Cursos 24 horas lançou há pouco tempo um novo curso chamado Contadores de Histórias. Por apenas R$50,00, sem mensalidades, você aprenderá as melhores formas de contar histórias de formas divertidas e interessantes, prendendo seu ouvinte do início ao fim.

Faça o curso e receba seu certificado em casa, sem custo adicional.

André Gazola

André Augusto Gazola é formado em Letras, professor especialista em escrita e redação para ENEM, vestibulares e concursos públicos, além de pós-graduado em Metodologia de Ensino de Língua Portuguesa e Literatura.

Recent Content