A Expressão Corporal na escola


Você, professor, assume uma turma de sexta série para lecionar História. Perfil da turma: há conflitos de relacionamento entre os alunos, que se dividem em pequenos grupos e, em alguns momentos, um é oprimido por outro. Há também uma geral falta de interesse nos estudos agravada pela dificuldade de concentração. Você precisa ensinar História. Por onde começar? Através da expressão corporal! História, Geografia, Matemática, Português. Arregace as mangas e coloque a criatividade para funcionar, afinal, todo professor também é artista.

Expressão Corporal no Ambiente Escolar

Dei-me conta da importância do trabalho corporal no decorrer do Curso Normal, antigo Magistério, quando pude perceber as mudanças que iam acontecendo comigo e, aliás, é por isso que digo, afirmo e quero te convencer, leitor. Através desse trabalho, eu percebi dificuldades – e consegui superar – que tinha e nem sabia.

Quando falo de expressão corporal, falo de propostas amplas envolvendo todo o trabalho com o corpo que se possa imaginar com dança, artes cênicas e música, realizadas através de jogos, brincadeiras e dinâmicas. Cometemos um erro se pensamos que a corporeidade é assunto para as aulas de educação física, primeiro por que deixamos de pensar no aluno e na educação com uma visão holística e interdiscipplinar, e segundo por que é dever do professor propiciar vivências que visam a construção do ser crítico e atuante no mundo que vive.

Quanto menor a criança, mais ela se manifesta através da arte e da sua livre expressão. Esse espaço é substituído a partir da aquisição da linguagem escrita, quando as aulas passam a ser focadas nas atividades no caderno, o que exige cada criança sentada na sua cadeira.

Que tal receber seus alunos na próxima semana com um desafio? Com certeza você ganhará a confiança da sua turma – por mais que no início haja resistência.

O trabalho com o corpo nos faz, antes de tudo, assumirmos como somos e a compreender e respeitar nossos limites e possibilidades. Quanto mais eu trabalho o meu corpo e sei do que sou capaz, mais eu tenho autoconfiança e sei como é importante que o outro se desenvolva. Há espaço, assim, para um ambiente de convívio saudável e enriquecedor, onde trocas são feitas, proporcionando a aprendizagem e o crescimento entre os educandos.

No momento das atividades amplas vamos formando grande parte das nossas estruturas internas e polindo a personalidade. A estrutura de ensino da atualidade, muito técnica, nos distancia dessas experiências que nos colocam em contato com a expressão humana. Por isso, professores, vamos abrir esse espaço em nossas aulas. Não falamos de liberdade de expressão em época de ditadura militar? Pois vivemos numa ditadura, a ditadura do ensino tecnicista, e por isso o convido a irmos às ruas da nossa consciência e gritar pela liberdade de expressão corporal.

Vamos lembrar da nossa turma quando a assumimos e listar as contribuições do desenvolvimento das propostas:

  • Criaram um ambiente de companheirismo entre os educandos e os professores, proporcionando ajuda mútua e sentimento de união, minimizando a rivalidade;
  • Proporcionaram o autoconhecimento de potencialidades e limitações, que fez com que soubéssemos das potencialidades e limites do outro, respeitando-o da mesma forma como gostaríamos de ser respeitados;
  • Exigiram criatividade e raciocínio lógico na resolução dos desafios propostos;
  • Contribuíram no desenvolvimento de questões psicomotoras como percepções espacial e temporal, coordenação motora, lateralidade, equilíbrio, ritmo, esquema corporal;
  • Minimizaram a falta de atenção durante as aulas, uma vez que essa é uma exigência desse tipo de proposta;
  • Estimularam o conhecimento específico da História, uma vez que as atividades são do interesse dos educandos.

Deu trabalho, não é? Mas não valeu a pena?

Claro que esses meus dados são potenciais, ou seja, são um leque de possibilidades maravilhosas que podem acontecer sob os seus olhares, na sua sala de aula. Porém eu garanto que são reais também, pois aconteceu comigo enquanto aluna e enquanto professora. Se você concorda, faça. Se você duvida, faça também. Com certeza o mundo será melhor.

Rosana Três

Rosana Gazola é formada em História e especialista em Música e Musicalidade. Dá aulas de Arte e História para Ensino Fundamental I e II em escolas de rede privada.

Recent Content