Sermões de Padre Antônio Vieira

Resumo e Análise dos Sermões de Padre Antônio Vieira

Apesar da dificuldade de leitura e entendimento, os Sermões do Padre Antônio Vieira, escritor expoente do Barroco brasileiro, continuam sendo solicitados como leitura obrigatória de diversos vestibulares do Brasil.

Em 2016, UFRGS e UFBA são duas das universidades federais que incluirão o maior representante do conceptismo em suas provas de Literatura.

Para aumentar suas chances de aprovação, a melhor estratégia é ler bons resumos (como os presentes aqui neste artigo) ou a obra completa e, depois, testar seus conhecimentos através de questões de vestibular sobre os Sermões.

O padre Antônio Vieira (em Portugal é António Vieira) é uma das figuras mais importantes de nossa história. Primeiramente, pelo seu domínio da língua portuguesa, que fez com que Fernando Pessoa lhe dedicasse um poema em seu único livro publicado em vida, Mensagem, na parte dos poetas que anunciam o futuro.

Imperador da língua portuguesa,
Foi-nos um céu também.

Uma vez que a língua é uma parte muito importante na constituição de uma nação, Vieira é quem, pela primeira vez, encontra uma expressão apropriada para essa manifestação inicial da nacionalidade. Seu estilo é limpo, claro, conciso, e suas sentenças, semelhantes aos aforismos, são cheias de energia.

Padre Antônio Vieira

Ele também é importante pois participou da maioria das questões relevantes da história portuguesa no século XVII:

  • a questão dos índios
  • da luta dos bandeirantes paulistas contra a Companhia de Jesus
  • dos governantes contra as missões
  • da retomada da independência de Portugal

Além disso, foi embargador extraordinário nas principais cortes da Europa, participando dos debates em torno do barroco romano. Vieira também foi perseguido pela Inquisição, principalmente devido a sua defesa dos judeus, que julgava muito importantes para a restauração portuguesa.

A Educação Jesuítica

Antônio Vieira veio ao Brasil em 1614, aos seis anos. Sua família era humilde, com provável descendência índia ou negra. Seu pai só viera trabalhar nos Tribunais de Justiça graças ao casamento, já que o cargo fora lhe oferecido como dote.

Naquela época o Brasil era dividido em dois estados, o Estado do Brasil, cuja sede estava na Bahia, e o Estado do Grão-Pará e Maranhão. Os Portugueses com algum destaque mandavam seus filhos para serem educados no Colégio da Bahia e assim também se deu com Vieira.

O Colégio da Bahia (Collegio do Salvador da Bahia), fundado em 1553 pelo padre Manuel da Nóbrega, foi a primeira instituição de Ensino Superior do Brasil. Este colégio jesuíta teve êxito graças à qualidade da educação, baseada em um modelo internacional humanista que privilegiava a educação clássica (leitura de gregos e romanos, utilização da retórica, estímulo da competição intelectual).

Collegio Salvador da Bahia - 1553

Porém, seu sucesso se deu, especialmente, pela capacidade de adaptação do ensino às culturas em que se inseriam.

No caso do Brasil, os jesuítas precisavam ir contra uma série de preceitos católicos, a fim de levar a cabo a incorporação dos índios, como assistir missas nus ou se confessar através de intérpretes. A doutrina, assim, depende da situação, não está acabada.

É importante destacar que isso não significa que os jesuítas agiam desta maneira porque respeitavam a cultura indígena. Sua ação era baseada na convicção de que revelariam a verdadeira natureza do índio até então deformado pelos costumes viciosos acumulados pelo tempo.

Os indígenas não eram cristãos, mas tinham naturezas boas em costumes equivocados e, por esta, razão, os jesuítas recuperariam sua natureza via conversão. Por isso, Vieira achava que os jesuítas deveriam ter o monopólio dos negócios indígenas, sem a interferência dos moradores ou do Estado.

A Política da Companhia de Jesus

Os jesuítas compreendiam a teologia ao lado da prática, ou seja, era preciso agir no mundo, através da conversão dos indivíduos e na correção das políticas do Estado. Esse grupo sempre esteve próximo das elites, participando ativamente das políticas católicas.

A política indianista dos jesuítas, desde Nóbrega, procurava separar os índios dos seus costumes:

  • As crianças eram separadas dos pais e havia um lugar em que os índios eram fixados.
  • Era importante separar os índios os brancos.
  • Os capitães de mato buscavam escravizá-los e distribuí-los para as famílias que os fariam trabalhar exaustivamente sem educação religiosa alguma.

Ou seja, pensava-se nos índios como uma “nova cristandade” e, enquanto guerreiros, capazes de formarem um exército para a Igreja. Posteriormente, com o fortalecimento dos paulistas bandeirantes, Vieira tentou negociar o trabalho indígena em determinadas partes do ano e com pagamentos, mas foi expulso do Maranhão. Os colonos argumentavam que não podiam sobreviver sem a mão de obra escrava.

Em 1661, Vieira é preso, colocado numa galé junto com seus companheiros e enviado para Portugal.

O autor dos famosos sermões voltou para Portugal pela primeira vez em 1641, depois da Restauração, aos 33 anos. Quando Dom João IV assume o poder, ele acompanha o filho do vice-rei e é logo aceito no Paço devido a sua oratória sedutora e às suas opiniões sobre diversos assuntos.

Ele hostilizou a Inquisição, por exemplo, por causa dos judeus. Achava que a saída deles do reino era um desastre anunciado. Além disso, queria suspender os confiscos.

Como diplomata, acabou, de certa forma, fracassando. As embaixadas o desgastaram e decidiu, então, voltar para o Brasil.

Os Sermões do Padre Antônio Vieira

Uma vez que Antônio Vieira alternou sua vida entre o Portugal e Brasil, sua obra é considerada tanto literatura portuguesa quanto literatura brasileira. Sua produção literária é composta, em sua grande maioria, por sermões, os quais pregava aos índios e aos moradores da época.

Somente os sermões editados por Vieira totalizam mais de 200.

O sermão era considerado um gênero literário superior, resultado de um enorme esforço intelectual. Os jesuítas os criavam com base em estudos de retórica:

Para a sua preparação, os padres estudavam a forma de exposição, a ordem dos argumentos.

Para a elocução, atentavam para a função dos efeitos que o sermão deveria obter.

Para a execução, memorizavam, praticando impostação da voz, gestualidade e posição do corpo.

Tudo era objeto de estudos sistemáticos desde que entravam no noviciado. Nenhum padre saía dos estudos antes dos 34 anos, tendo treinamentos diários. Assim, os sermões eram pregados normalmente nas igrejas e eram muito concorridos. O anúncio de um grande orador na missa do dia, por exemplo, criava grandes expectativas na comunidade.

O sermão acontecia após a leitura do Evangelho do dia (definido canonicamente) e antes da comunhão. O padre interpretava a passagem bíblica lida anteriormente de modo a renová-la, encaixando a História com a vida. Além de seus sermões, Vieira também escreveu poesias, livros poéticos e centenas de cartas. Muito desse material ainda é inédito.

Resumo do Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda

Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda

Baixe o sermão completo em PDF no Domínio Público.

Este sermão foi pregado em 1640, na Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, Bahia. Neste ano, a Bahia lutava contra o domínio holandês. Com o monopólio ibérico do comércio açucareiro, outros países europeus, como os holandeses, buscavam a sua fatia do mercado.

Para este fim, a Holanda instituiu a Companhia das Índias Orientais. A primeira tentativa de invasão holandesa fracassou, em 1624. Seis anos depois, porém, a nova investida terminou com a conquista de Pernambuco. Em 1640, os holandeses tentam novamente conquistar a Bahia.

Em meio à ameaça de invasão, o Padre Antônio Vieira prega, na Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, um sermão que busca fortificar os ânimos da população para lutar contra os hereges holandeses. Como se em um palco, Vieira dirige-se indiretamente ao público enquanto conversa com Deus.

Vieira inicia com o Salmo bíblico 43, comentando-o.

Com tanta propriedade como isto descreve David neste Salmo nossas desgraças, contrapondo o que somos hoje ao que fomos enquanto Deus queria, para que na experiência presente cresça a dor por oposição com a memória do passado.

Para Vieira, a situação do Salmo é semelhante à situação da Bahia.

Esta é, Todo-Poderoso e Todo-Misericordioso Deus, esta é a traça de que usou para render vossa piedade, quem tanto se conformava com vosso coração. E desta usarei eu também hoje, pois o estado em que nos vemos, mais é o mesmo que semelhante. (…) O que venho a pedir ou protestar, Senhor, é que nos ajudeis e nos liberteis: Adjuva nos, et redime nos. Mui conformes são estas petições ambas ao lugar e ao tempo. Em tempo que tão oprimidos e tão cativos estamos, que devemos pedir com maior necessidade, senão que nos liberteis: Redime nos?

Viera passa a exigir de Deus uma solução. Em seguida cita as passagens bíblicas em que os hebreus conquistam Canaã e libertam-se da escravidão egípcia.

O recurso utilizado aqui é o mesmo da maioria dos sermões de Vieira: utiliza as passagens da Bíblia para solucionar problemas do presente.

Assim como os hebreus conquistaram sua terra prometida, os portugueses encontraram a sua. Ou seja, justifica a colonização. Com a iminência da invasão holandesa, Vieira cobra de Deus que expulse de Sua terra os hereges. Em um dos momentos de maior, talvez, atrevimento do sermão, Vieira diz:

Se acaso for assim (o que vós não permitais), e está determinado em vosso secreto juízo que entrem os hereges na Bahia, o que só vos represento humildemente e muito deveras, é que antes da execução da sentença repareis bem, Senhor, no que vos pode suceder depois, e que o consulteis com vosso coração enquanto é tempo; porque melhor será arrepender agora, que quando o mal passado não tenha remédio.

É uma queixa indignada, que em momentos torna-se ironia. Vieira utiliza inúmeros recursos para demonstrar que se sente desamparado, cobrando uma ação divina imediata. Como argumento, defende a superioridade da Igreja católica, especialmente em relação aos protestantes holandeses. O sermão se encerra com pedidos de perdão.

Resumo do Sermão de Santo Antônio aos peixes

Sermão de Santo Antônio aos Peixes

Leia o texto completo do sermão aqui.

Este sermão foi pregado em São Luís, Maranhão, em 13 de junho de 1654, no âmbito das lutas que dividiam os jesuítas e os colonos em razão dos índios. Três dias depois, Vieira viajaria sigilosamente para Portugal, buscando negociar com a Coroa uma lei que regulamentasse a liberdade do indígena na colônia.

O sermão parte de um conceito presente na Bíblia (em Mateus, 5:13): “Vós sois o sal da terra”. Assim Vieira interpreta a sentença:

  • “Vós” – os pregadores jesuítas;
  • “Sal” – a mensagem cristã;
  • “Terra” – o lugar e os moradores, no caso, a colônia.

Dessa forma, o sal da terra seriam os pregadores, que deveriam conservar a nova terra portuguesa com a fé cristã. Em seguida, Vieira procura os germes da corrupção do mundo. Encontra-os nos próprios pregadores, que fracassam ao pregar a doutrina errada e agindo de acordo com interesses particulares, e também nos ouvintes, que não agiriam conforme a doutrina.

Ou é porque o sal não salga, e os pregadores dizem uma coisa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que êles fazem, que fazer o que dizem; ou é porque o sal não salga, e os pregadores se pregam a si, e não a Cristo, ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes em vez de servir a Cristo, servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade?

Uma vez que Santo Antônio, não encontrando quem ouvisse suas palavras, pregou aos peixes, Vieira imita-o e prega da mesma forma.

Isto suposto, quero hoje, à imitação de Santo Antônio, voltar-me da terra ao mar, e já que os homens se não aproveitam, pregar aos peixes. O mar está tão perto que bem me ouvirão. Os demais podem deixar o sermão, pois não é para eles.

Primeiro, Vieira coloca os peixes acima dos seres humanos e depois trata de seus defeitos.

As virtudes são referentes aos peixes de Tobias, Rémora, Torpedo e Quatro-Olhos e os defeitos vão para os Roncadores, Pegadores, Voadores e para o Polvo. Vê-se, assim, que o recurso utilizado é o da alegoria. Ele se dirige aos peixes visando dirigir-se aos homens. As virtudes dos peixes, por exemplo, são os defeitos dos humanos. O principal defeito apontado é a voracidade, já que os peixes devoram uns aos outros, e, pior ainda, os maiores devoram os menores.

Vede, peixes, e não vos venha vanglória, quanto melhores sois que os homens. Os homens tiveram entranhas para deitar Jonas ao mar, e o peixe recolheu nas entranhas a Jonas, para o levar vivo à terra.

Por trás dessa alegoria está a crítica ao comportamento dos colonos maranhenses em relação aos índios. Para torná-la evidente, Vieira passa várias vezes do plano alegórico para o plano concreto.

Ele termina o sermão, que é dividido em seis partes, exaltando a natureza dos peixes: não podendo ser sacrificados, sacrificam-se em respeito a Deus. E coloca-se, enquanto homem, abaixo dos peixes:

Em tudo o que vos excedo, peixes, vos reconheço muitas vantagens. A vossa bruteza é melhor que a minha razão e o vosso instinto melhor que o meu alvedrio. Eu falo, mas vós não ofendeis a Deus com as palavras; eu lembro-me, mas vós não ofendeis a Deus com a memória; eu discorro, mas vós não ofendeis a Deus com o entendimento; eu quero, mas vós não ofendeis a Deus com a vontade.

O sermão termina com uma oração de louvação a Deus.

Resumo do Sermão da Sexagésima

Sermão da Sexagésima

Baixe o sermão completo em PDF no Domínio Público.

Pregado na Capela real de Lisboa, em janeiro 1655, provavelmente, para a nobreza católica de Portugal.

A palavra “sexagésima”, do título, refere-se à data em que o sermão foi exposto: segundo o calendário litúrgico católico da época, tratava-se do penúltimo domingo antes da Quaresma (ou o sexagésimo dia antes da Páscoa).

O sermão possui dez partes e trata da arte de pregar, uma espécie de poética da oratória. Inicia-se assim:

E se quisesse Deus que este tão ilustre e tão numeroso auditório saísse hoje tão desenganado da pregação, como vem enganado com o pregador! Ouçamos o Evangelho, e ouçamo-lo todo, que todo é do caso que me levou e trouxe de tão longe.

Primeiramente, Vieira afirma que seu público está enganado sobre a sua prática. Como eram conhecidas as suas posições acerca dos índios, escravos e cristãos novos, ele busca inverter essa desconfiança. Assim, ele elogia seu público, ressalta a importância do tema e relembra que viera de muito longe para pregar-lhes.

Nesse sermão, o padre mantém uma das características dos seus sermões: a elaboração de uma imagem sobre a qual o texto se apoiará e revolverá. No caso, trata-se de Lucas, 8: 11:

Ecce exiit qui seminat, seminare. Diz Cristo que «saiu o pregador evangélico a semear» a palavra divina.

Sendo ele um semeador, passa a falar dos pregadores que atuavam em sua pátria e ao seu trabalho no Maranhão. Cada pregador possui suas dificuldades e, para argumentar, Vieira utiliza a citação de passagens bíblicas e a sua experiência com os missionários no Maranhão. Na segunda parte, também explica o significado da parábola do semeador.

O trigo que semeou o pregador evangélico, diz Cristo que é a palavra de Deus. Os espinhos, as pedras, o caminho e a terra boa em que o trigo caiu, são os diversos corações dos homens. Os espinhos são os corações embaraçados com cuidados, com riquezas, com delícias; e nestes afoga-se a palavra de Deus. As pedras são os corações duros e obstinados; e nestes seca-se a palavra de Deus, e se nasce, não cria raízes. Os caminhos são os corações inquietos e perturbados com a passagem e tropel das coisas do Mundo, umas que vão, outras que vêm, outras que atravessam, e todas passam; e nestes é pisada a palavra de Deus, porque a desatendem ou a desprezam. Finalmente, a terra boa são os corações bons ou os homens de bom coração; e nestes prende e frutifica a palavra divina, com tanta fecundidade e abundância, que se colhe cento por um: Et fructum fecit centuplum.

E encerra com uma pergunta:

Pois se a palavra de Deus é tão poderosa; se a palavra de Deus tem hoje tantos pregadores, porque não vemos hoje nenhum fruto da palavra de Deus?

Vieira seguirá o sermão respondendo a essa interrogação. Apontará as três figuras atuantes em uma pregação:

  1. Deus
  2. o ouvinte
  3. o pregador

sendo o último o responsável pelo sucesso da mensagem. Listará cinco qualidades para o pregador:

No pregador podem-se considerar cinco circunstâncias: a pessoa, a ciência, a matéria, o estilo, a voz. A pessoa que é, e ciência que tem, a matéria que trata, o estilo que segue, a voz com que fala. Todas estas circunstâncias temos no Evangelho.

E em seguida, examinará cada uma dessas circunstâncias. Sobre o estilo, defenderá um estilo simples e natural, como o céu. Assim, o estilo pode ser claro e alto para agradar os que sabem e os que não sabem. Sobre a matéria do sermão, Vieira sugere o foco em um único tema, a fim de não confundir os ouvintes.

Uma árvore tem raízes, tem tronco, tem ramos, tem folhas, tem varas, tem flores, tem frutos. Assim há-de ser o sermão: há-de ter raízes fortes e sólidas, porque há-de ser fundado no Evangelho; há-de ter um tronco, porque há-de ter um só assunto e tratar uma só matéria; deste tronco hão-de nascer diversos ramos, que são diversos discursos, mas nascidos da mesma matéria e continuados nela; estes ramos hão-de ser secos, senão cobertos de folhas, porque os discursos hão-de ser vestidos e ornados de palavras.

Vieira também defende que o pregador deve buscar a ciência e ser original, sem precisar copiar outros pregadores.

O pregador há-de pregar o seu, e não o alheio.

A voz do pregador não seria tão importante, pois Jesus pregara sem gritar, e questiona:

Em conclusão que a causa de não fazerem hoje fruto os pregadores com a palavra de Deus, nem é a circunstância da pessoa: Qui seminat: nem a do estilo: Seminare; nem a da matéria: Semen; nem a da ciência: Suum; nem a da voz: Clamabat. (…) Pois se nenhuma destas razões que discorremos, nem todas elas juntas são a causa principal nem bastante do pouco fruto que hoje faz a palavra de Deus, qual diremos finalmente que é a verdadeira causa?

Ele então responde que os pregadores mudam o sentido da palavra de Deus, impondo significados, usando a Bíblia para justificar ideias próprias.

O sermão é concluído com uma crítica: os pregadores lisonjeiam o povo por medo de perderem a reverência. Propõe que o sermão deve fazer os ouvintes refletirem sobre suas ações e a buscarem o perdão. Exemplifica com a atividade do médico, que se preocupa com a recuperação do paciente e não com a dor. O sermão termina com Vieira chamando a atenção para sua profissão:

Que conta há-de dar a Deus um pregador no Dia do Juízo? O ouvinte dirá: Não mo disseram. Mas o pregador? Vae mihi, quia tacui: Ai de mim, que não disse o que convinha! Não seja mais assim, por amor de Deus e de nós.

Concluindo

Muito se estuda sobre as características e o contexto histórico do período Barroco na escola, mas pouco foco tem sido dado ao texto literário que de fato constitui esse momento da literatura.

Padre Antônio Vieira, sem dúvida, escreveu textos em forma de sermões que ultrapassam o mero propósito religioso, chegando a um patamar artístico. Opõe-se ao grande poeta Gregório de Matos no estilo, porém o complementa através de sua prosa concisa, exata.

Como leitura obrigatória de vestibular, não é dos autores mais fáceis, o que faz com que o candidato bem preparado possa destacar-se ao possuir o conhecimento necessário sobre os sermões listados no site da UFRGS, por exemplo.

Ler o Sermão da Sexagésima, o Sermão de Santo Antônio aos Peixes e o Sermão do Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda pode não ser a tarefa mais agradável, mas certamente dará seus frutos quando sua nota em Literatura ajudar a conquistar sua vaga na universidade pública.

Referências

Entrevistas de Antônio Alcir Pécora.
PÉCORA, A. “Para ler Vieira: as 3 pontas das analogias nos sermões”, in: Floema: Caderno de Teoria e História Literária. Vitória da Conquista, nº 1, p. 29-36, 2005.
PÉCORA, A. “Vieira, a inquisição e o capital”, in: Topoi. Rio de Janeiro, nº 1, p. 178-196.
VIEIRA, A. Sermões do Padre Antônio Vieira. Porto Alegre: L&PM, 2010.

Questões de Vestibular - Sermões Padre Antônio Vieira

Alexandre Kuciak é mestrando em Letras pela UFRGS, professor de Literatura do cursinho pré-vestibular popular ONGEP. Mora em Porto Alegre-RS.

Comente!

Ela revelou o Segredo!
Como Tirar Acima de 900
na Redação do ENEM
Ex-professora de cursinho famoso abre o jogo e revela o que os chefes não deixavam. As técnicas que garantem aprovação!
Assistir Agora!
Não, obrigado. A Redação é fácil pra mim.

Conteúdo Protegido!

Cadastre seu e-mail abaixo para desbloquear
os modelos de resenha exclusivos.
(você os receberá em sua caixa de email)
Baixar Modelos
Receba mais dicas de Redação do ENEM em seu e-mail
Cadastrar
Junte-se a mais de 20 mil alunos